Narrando a Minha Experiência com o Dispositivo Intra Uterino (DIU)

Role Aqui

Narrativa da minha experiência com a colocação do DIU.

Então chegou aquele momento da sua vida que você desistiu do anticoncepcional via pílula. Decidiu tomar as rédeas do seu corpo e planejamento familiar.

Depois de pensar, pesquisar, por pelo menos 6 meses. Eu decidi colocar o DIU Mirena e vou contar como foi.

Para quem chegou de para-quedas no assunto, ai vai uma pequena introdução do que é o DIU. (Caso você já saiba tudo isso pule para o ATO I).

DIU: Como a sigla já diz, é um dispositivo que vai dentro do útero. Existem 2 tipos, Mirena e o DIU de cobre. Suas diferenças básicas são:

DIU de Cobre

Não possui liberação de hormônios no seu organismo. Pelo que eu pesquisei existem 4 tipos do DIU de cobre.

São eles:

  • T de Cobre 280 A, que é o mais usado e tem uma vida útil de 10 anos.
  • DIU de cobre com prata, onde a prata ajuda a diminuir a fragmentação do cobre. Então, o dispositivo ganha um boosted de eficácia (esse tem duração de 5 anos).
  • DIU com formato de ferradura que, devido ao seu formato curvo facilita a colocação. É indicado para mulheres que nunca tiveram filhos ou com endometriose.
  • DIU Mini T, que com o nome diz tem um tamanho reduzido,  é indicado para mulheres que nunca engravidaram. Esse também tem sua vida util em 5 anos.
DIU de cobre tradicional
Mini DIU e DIU (Ferradura)
DIU Mirena

 

 

 

 

 

 

 

E porque o DIU de cobre impede a concepção? Acontece que o cobre cria um ambiente que repele a chegada dos espermatozoides nas trompas. Além de interferir na fertilização e no transporte e fixação do óvulo. Ou seja, você não vai ter interferência nenhuma de hormônios. Sua ovulação e ciclos serão tão naturais quanto se você não usasse nada.

DIU Mirena  

Esse é o modelo que eu optei pelos seguinte benefício: O fluxo menstrual diminui a ponto de muitas vezes nem existir. Isso acontece porque o Mirena vai liberando aos poucos e de forma constante no seu organismo o hormônio levonorgestrel, em doses muito menores do que um anti concepcional. A mágica do Levonorgestrel é que, como ele na verdade (de forma resumida) é uma progesterona sintética. Ele impede a formação da membrana (endométrio) que cobre as paredes do útero. Ou seja, você ovula, mas o seu óvulo não se fixa nas paredes do útero a fim de esperar a fecundação acontecer.

 E agora vem o meu relato vivido para colocar o DIUto cujo (sim, a piada foi horrível).

Desde os 17 anos tomei o anticoncepcional Diminut. E nunca tive o menor problema com ele. Minhas cólicas diminuíram consideravelmente logo que comecei a tomar a pílula, a pele ficou um pêssego e não ganhei peso. Mas o primeiro semestre de 2017 foi um tanto super estressante, por conta disso meus ciclos começaram a enlouquecer junto comigo. Somando que eu já estava um pouco cansada de que ter que lembrar todo dia de tomar o comprimido nos últimos 8 anos.

Nesse ano, em específico, comecei a ter desfalques na minha menstruação. Chegou a ter meses que não veio nada (imagina o pânico). E tive quadros de que, quando a menstruação vinha, ela vinha acompanhada de pedaços que pareciam pele (pânico parte 2). O que foi esclarecido pelo meu ginecologista que não era nada além de pedacinhos do endométrio e que era super normal acontecer isso de vez em quando.

Mesmo assim, esse foi o meu basta para a pílula. E o começo da saga DIU.

I ATO: A decisão.

Depois de conversar com o meu médico e ele ter explicado todo o processo de funcionamento do DIU comecei a achar bem interessante a ideia. Entretanto eu tinha um medo terrível da tão falada “dor na hora de colocar”. Virei grupos, blogs e conversei com pessoas que colocaram e 99% das mulheres relatavam uma dor quase de parto para inserir aquele Tzinho. Mas ai meu médico disse as palavras mágicas: sedação e anestesia.

Segundo ele ele não há motivos de fazer a colocação sem nenhum inibidor da dor. Inclusive, ele considerou até arriscado colocar com a paciente lúcida, por risco de contração devido a dor ou ser feito algum movimento brusco, resultando uma possível perfuração do útero.
Ultra Sons feitos era hora de encomendar o DIU.

II ATO: A aquisição.

O processo que eu passei para que o DIU chegasse às minhas mãos foi um tanto demorado. No meu caso, o meu plano de saúde (Unimed) cobriu as despesas tanto do dispositivo quando da sedação e anestesia. Meu médico fez um requerimento por escrito atestando, a necessidade do dispositivo e a necessidade do anestésico e sedativo, junto de uma guia (igual aquelas de exame) para pedido do dispositivo.

Tive que levar pessoalmente o pedido em uma unidade da Unimed onde me foi orientado que, assim que aprovado o pedido a Unimed iria fazer o pedido do DIU e eu seria avisada por telefone para ir busca-lo. O dispositivo só chega nas mãos do médico no dia da colocação. O processo de pedido e recebimento é todo feito pela paciente.

Um, dois, três meses depois eu resolvi ligar para o convênio para saber que fim levou meu DIU e ele já havia chegado a pelo menos 2 meses no local de coleta. -.-

Stress a parte, fui buscar o tal e descobri que o meu número de telefone no cadastro deles estava errado. Fica a dica, é melhor ser a chata que liga toda a semana do que a trouxa que fica 3 meses esperando uma ligação que nunca vai acontecer.

O interessante é que, você ganha uma caixa enorme, considerando o tamanho do DIU. E sai de lá com ela na mão, e coloca no banco do passageiro, chega em casa e fica: Eu guardo isso no banheiro, no quarto?

III Ato: A colocação

DIU em mãos, era hora de marcar a colocação. Cheguei na consulta e fui instruída de que assim que minha próxima menstruação viesse era para entrar em contato com o médico para que fosse colocado no 4º dia após vir a menstruação.

O DIU é sempre colocado durante a menstruação pelo fato de que, além de mais lubrificada a passagem para o útero, ela está mais “frouxa”. Evitando assim, que o médico tenha que forçar muito a entrada do DIU.

A parte do agendamento com o hospital foi feito pelo médico, eu tive só que ir atrás do DIU.  No meu caso marquei para que fosse feita a colocação em uma das maternidade em que meu médico atendia.

Chegado o dia, foi aquela mensagem um tanto estranha para o médico:

-Oi, então….. desceu…..(?)

Agendada a colocação lá vou eu e meu namorado, ele me acalmando e eu ultra nervosa. Meu nervosismo acabou me rendendo um mico básico. Perguntei se eles iam me dopar, na tentativa de falar sedar para o médico.

Assinei os docs necessários, coloquei minha camisolinha de bum bum de fora e fui! Cheguei na sala, deitei naquela posição super reveladora que toda mulher conhece bem e capotei.

2 horas depois (1 a mais do esperado porque eu sou dorminhoca) eu acordei me sentindo muito bem. Uma leve colicazinha apenas. Em casa a cólica foi aumentado e ficou uma dor bem chata. Por isso foi uma semana a base de Buscopam composto até eu me sentir melhor.

IV ATO: O depois

Faz uns 6 meses que coloquei e até agora passei pelas seguintes experiências pós DIU. O “ato do coito” só é permitido realizá-lo após 2 semanas depois da colocação. No meu caso, os primeiros 2 meses foram chatinhos, tanto para a “atividades em dupla” quando para o dia-a-dia, academia e etc. Sempre ficava aquela colicazinha chata.

O que me assustou foi a 1a menstruação pós DIU. Doeu, doeu muito, tinha um alien dentro de mim me esfaqueando por dentro, 2 doses de Buscopan e tudo voltou ao controle.

Eu posso dizer que as cólicas durante a menstruação estão bem toleráveis, mais fortes do que quando eu tomava pílula, mas ainda sim toleráveis. Relações: Ok, Exercícios: Ok, vida normal que segue. Os fluxos maravilhosamente diminuíram a ponto de eu só usar aqueles absorventes diários, porem os dias de fluxo subiram de 4 para 6 em média. Nos primeiro 4 meses minha pele ficou beeeem oleosa, ela sempre foi mais oleosa, mas aumentou consideravelmente a oleosidade. Acarretando o aparecimento de espinhas, que eu nem lembrava que um dia eu tive. Nada muito perceptível para a população em geral, mas você olha para o seu ombro e testa e vê todas elas acenando e te chamando de otaria.

ATO FINAL: A Conclusão

Acredito que nada é 100% bom ou ruim. Percebi vantagens? sim. Percebi desvantagens:? sim. Voltaria para a pílula? Não. A leveza na consciência de não precisar lembrar de tomar nada todo dia e realmente sentir ter controle do meu corpo, são pontos que favoreceram a decisão de manter o DIU. Posso jogar pra daqui 5 anos os planos de ter filhos, sem medo de acidentes de trajeto, e isso para mim, é suficiente.

Bonus Fact: Quando fiz os ultra sons para o DIU, foi encontrado um cisto de um tamanho considerável no meu ovário direito. Porém meu médico me tranquilizou e disse que o uso do Mirena seria muito positivo, pois o mesmo hormônio é usado em medicamentos para a redução de cistos. Sendo assim, acabei ganhando de brinde um tratamento anti-cisto.

*** Todas essa informações foram baseadas na minha experiência pessoal. Entre em contato com o médico de sua confiança antes de tomar qualquer decisão.

XXX

12 Comentários

  1. Olá, tudo bem?
    Eu tb tomo o Diminut e estou pensando em aderir ao Mirena…
    Gostaria saber sobre o seu peso, inchaço e tal… vc notou alguma diferença de peso no seu corpo com Diminut e no seu corpo com o Mirena
    bjinhos

    • Oi Manu!!
      Tudo bem sim e com você?

      Então, em questão a peso e inchaço eu não senti muita diferença não. Na verdade eu até perdi peso. Mas acho que não por causa do DIU, acho que mais por conta de outra medicação que eu tomo.
      A única diferença que eu senti bastante foi em relação a oleosidade da pele. Nos primeiros meses ela aumentou muito mesmo. Mas agora, depois de um ano, ela deu uma regulado. Confesso que não tenho mais a pele tão lisinha quanto quando eu usava o Mirena, principalmente nas costas. Mas para mim, esse foi realmente o único ponto negativo.

      Espero ter ajudado! Se tiver mais dúvidas fique a vontade em perguntar!

      Beijos!

  2. Bom dia Amanda
    Segui os mesmos passos que os seus, depois de uns 10 anos com uso da pilula e muita enxaqueca, decidi me arriscar no Diu Mirena, Coloquei no hospital com sedação e anestesia, e todo o precedimento demorou duas horas, também pela Unimed (você teve algum custo de coo participação?), não senti nada de dor, cólica ou sangramento, estou ótima. Vou avaliar como será daqui pra frente, espero que de certo assim como deu pra ti. Abraços

    • Oi Elida!
      Que bom que deu tudo certo com você! Eu tive que pagar apenas o instrumentador que foi 120 reais.
      Agora fez um ano que eu coloquei as vezes me da um pouco de cólica, mas é bem de vez em quando e as vezes, nos dias que viria minha menstruação, vem um pouquinho de sangue, mas bem pouco.
      Mas acredito se já no começo está sendo tranquilo com o passar do tempo você tira de letra!

      Beijos!

      • Oi Amanda, tudo bem?
        Achei as informações bem úteis!! Obrigada. Eu coloquei pela Amil há 5 anos mas agora eu tenho a Unimed e queria saber como você fez o precedimento porque estão me enrolando e o meu DIU vence mês que vem.

        Se você puder me orientar eu agradeceria muitíssimo.

    • Oi Elida, tudo bem?
      como está indo com o seu Mirena? Eu uso e indico. Eu coloquei pela Amil 5 anos atras mas agora eu tenho a Unimed e queria saber como você fez o precedimento porque estão me enrolando e o meu DIU vence mês que vem.

      Se você puder me orientar eu agradeceria muintíssimo.

  3. Gostei do seu relato, você poderia me indicar o médico? Porque as vezes os médicos querem “empurrar” a inserção de diu sem anestesia, mas estou com medo pois dizem que é muito dolorido.

    Obrigada

    • Oi Marcella! Que bom que gostou!

      Como eu sou de Curitiba, fiz no centro médico Oncoville. O médico que realizou o procedimento foi o Dr. Narciso Rizzo Júnior.
      Fico a disposição para qualquer outra dúvida!

      Abraço!

    • Olá, parei de tomar a pílula e tudo melhorou consideravelmente, estou muito melhor sem e não quero voltar, tenho pesquisado sobre o diu, mas como a pílula tinha zerado minha libido, fora outros sintomas, fico com medo do diu mirena fazer a mesma coisa já q ele tbm tem hormônios. Vc notou algo em relação a isso? Gostei da idéia do diu de cobre mas fico assustada com o relato de cólicas e mesntruaçao muito intensas. Só tenho certeza q pra pílula eu não volto.

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *